CONVIVÊNCIA PARA CONVIVER

CONVIVÊNCIA PARA CONVIVER

SUNDERHUS; Adolfo Brás[1]

Convivência…

O que significa esta palavra? Qual o seu sentido? Qual sua importância?

Convivência significa de forma simples e objetiva: trato diário, familiaridade, intimidade. Sendo assim podemos pressupor que quanto mais exercitamos estes conceitos em nossa vida e em nossas ações dia-a-dia maior será a nossa oportunidade de qualificarmos nossa convivência.

A convivência nos remete a uma pergunta.Qual a maior causa de aborrecimento do ser humano?  Sem duvida alguma a resposta e outro ser humano. Bem como a maior causa de alivio desses aborrecimentos é outro ser humano.

Como a convivência pressupõe a existência de relações entre dois seres humana e estando relacionada à familiaridade podemos concluir que esta ação e participativa e através dela buscamos identificar os principais desafios conflitos e valores como espaços interativos para que através do dialogo permanente exercitamos e qualificamos nossa convivência. Assim precisamos com urgência qualificar aperfeiçoar e rever nossa capacidade de convivência com o nosso semelhante.

A convivência participativa nos encaminha para um arranjo de convivência democrática pressupondo assim uma ação de natureza participativa e coletiva à toda comunidade para busca de soluções e encaminhamentos para os conflitos diários e de cidadania. Portanto convivência nos remete a aprendermos a lidar com as diferenças na perspectiva de estabelecermos cenários democráticos e inclusivos para a vida em sociedade.

Mandamentos da boa convivência para conviver:

  1. Lembre-se de que você é um ser social; você precisa dos outros e os outros precisam de você. É a união que faz a força.
  2. Controle as suas palavras, fale o necessário e em um tom de voz agradável.
  3. Não magoe os outros com brincadeiras de mau gosto ou palavras ofensivas.
  4. Não comente os defeitos alheios nem faça mexericos.
  5. Tenha uma mente aberta para respeitar as opiniões dos outros e saiba discordar sem ofender.
  6. Seja alegre e otimista. Irradie em volta de si um ambiente de bondade e confiança.
  7. Mostre interesse por tudo que os outros fazem ou gostam. Alegra-se com os que estão alegres e dê seu apoio aos que estão em dificuldades.
  8. Elogie os bons trabalhos, mesmo que não saiba quem os tenha feito.
  9. Faça poucas promessas e cumpra-as.
  10. Não seja mercenário a ponto de só fazer o bem a troco de recompensas.

FABULA DA CONVIVÊNCIA

Durante uma era glacial, muito remota, quando parte do globo terrestre esteve coberto por densas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram indefesos, por não se adaptarem às condições do clima hostil.

Foi então que uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver, começou a se unir, a juntar-se mais e mais. Assim, cada um podia sentir o calor do corpo do outro.

E todos juntos, bem unidos, agasalhavam-se mutuamente, aqueciam-se, enfrentando por mais tempo aquele inverno tenebroso.

Porém, vida ingrata, os espinhos de cada um começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor, aquele calor vital, questão de vida ou morte. E afastaram-se, feridos, magoados, sofridos.

Dispersaram-se, por não suportarem mais tempo os espinhos dos seus semelhantes. Doíam muito… Mas, essa não foi à melhor solução: afastados, separados, logo começaram a morrer congelados.

Os que não morreram voltaram a se aproximar pouco a pouco, com jeito, com precauções, de tal forma que, unidos, cada qual conservava uma certa distância do outro, mínima, mas o suficiente para conviver sem ferir, para sobreviver sem magoar, sem causar danos recíprocos

Assim suportaram-se, resistindo à longa era glacial. Sobreviveram.

É fácil trocar as palavras… difícil é interpretar os silêncios!

É fácil caminhar lado a lado…. difícil é saber como se encontrar!

É fácil beijar o rosto… difícil é chegar ao coração!

É fácil apertar as mãos… difícil é reter seu calor!

É fácil sentir o amor… difícil é conter a sua torrente!


[1] Engenheiro agrônomo

CREA – ES 2146 D / 11ª Região

Graduação em Agronomia – UFES, Alegre – ES, Brasil

ÁREAS DE ATUAÇÃO

1-         Organização Social e Redes Solidárias

2-         Microfinanças sociais

3-         Análise de Cadeias Produtivas

4-         Custo de Produção dos Arranjos Produtivos Locais

5-         Projetos Captação de Recursos – Agropecuária

6-         Projetos de Recuperação Ambiental

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s