A DESTRUIÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A PARTIR DE UM GOVERNO ILEGITIMO

UM GOVERNO ILEGITIMO GARIMPEIRO E RAPINEIRO…NOSSO PARABÉNS E NOSSA CONDOLÊNCIA A QUEM COUBER

Sunderhus; Adolfo Brás[1]

Um presidente (vice diga-se de passagem) interino. É necessário expressar os parabéns a esta pessoa pelo brilhante “ato” de ocupar o poder sempre almejado e nunca conquistado legitimamente. Aliás, parabeniza-la por trazer consigo os mais altos e qualificados membros de ocupação, lembrando que a palavra ocupar era antes vista e dita por este “novo governo” como um termo de pessoas desocupadas, como se não se encaixasse perfeitamente no próprio perfil.

Enganam-se! A sociedade sempre esteve e estará na luta por seus direitos e pela defesa de um Estado constituído por representantes que respeitem sua vontade legítima. Essa ocupação sim derrubou não só um governo ou um partido político, mas a manifesta vontade de 54 milhões de cidadãos e cidadãs de todo Brasil, através de uma fala maldosa e carregada de preconceito resumida em uma simples frase: “tiramos a boquinha do PT”.

A inclusão para além da ordem econômica e social nos remete a necessidade e ao compromisso de um real governo em oportunizar a participação de todos os segmentos. Nesse ponto temos que dar os parabéns novamente a este “senhor do pau oco” pois com um ato de boa vontade à classe dominante contempla a soberba da burguesia colonialista(diga-se conservadora, que ora ocupa o governo.

Cerca-se somente da “elite” (seja ela branca, parda ou negra) e em especial de homens (gosto não se discute é próprio de cada um), em uma demonstração inequívoca de que a ocupação deste governo trará de volta todos os equívocos do patrimonialismo e do coronelismo de outros tempos, em que as minorias femininas e étnicas (num desconhecimento de que no Brasil de hoje já não é mais minoria) são relegadas ao escanteio.

E o dito Presidente interino, como um salvador, diz que seu objetivo é a reforma do Brasil. Como se isso fosse possível dentro desta visão estreita, reduzida, individualista, patrimonialista que, além de abraçar a soberba e o individualismo do atual governo, que ataca a todos que estão à sua esquerda e aos da sua direita, dizendo que “se houver algo em desvio será analisado”. E assim começa um governo chamado por ele de “revolucionário”.

Aqui mais uma vez fica evidenciado um grande coro de “parabéns pra você”, que impõe à sociedade não a ética e a transparência, mais descortina a ação predadora deste poder, nomeando para os Ministérios (que têm a função de organizar, pensar e operar políticas públicas para a sociedade) sete investigados (jargão policial) pela Lava-Jato, dando a eles o chamado e tão almejado foro privilegiado…certamente um presente que merece para além do parabéns as condolência por já iniciar com um conjunto de notáveis que pouco ou quase nada se preocuparam com o desenvolvimento sustentável deste país, ante a sua prática colocada sobre dúvida.

No entender da grande maioria essas nomeações não orgulham e não representam aqueles que legitimamente elegeram uma Presidenta (isso mesmo PRESIDENTA) como cidadãos e cidadãs. Fica o sentimento da endemonização do Partido dos Trabalhadores (PT), nas pessoas de Lula e Dilma, tornando seres divinos “celebridades” como Bolsonaro, Silas Malafaia, Marco Feliciano e Edir Macedo.  Todos com um forte histórico de embates sociais e étnicos com o objetivo único de estarem próximos e dentro ao poder. Não merecemos de forma alguma ter esses Pseudo imperadores nos representando em um parlamento que mais se dedica a política do “pão e circo” do que de suas funções legitimas e parlamentares.

Fica expressa a mais forte de todas as condolências, pois aqui certamente seria muita hipocrisia de minha parte (esta deixo para estes “senhores da soberba ao poder”) dar os “parabéns” conforme e da forma anterior. E vem carregado com o sentimento de repulsa pela forma como este interino vice e aspirante a Presidente (que nunca será o nosso titular) destruiu os sonhos e necessidades conquistadas através da discussão de princípios e valores. O primeiro faz parte de nossa existência e lutamos para torna-los inabaláveis enquanto o segundo é pessoal, subjetivo e contestável.

Este governo aventureiro certamente tenta e se esforça a ter princípios, mas prefere ignora-los quando lhe interessa como fez com as conquistas sociais, passando a uma proposta de adoção de valores em que a supremacia masculina e étnica simplesmente aniquilam as conquistas efetivadas pela dita “oposição”, deixando já no presente e para o futuro um nefasto legado de dividas para a sociedade, traduzidos em um desmedido contraste com os princípios que a regem, em especial aqueles que prezam pela dignidade humana.

Estas dívidas estão expressas pelo encerramento: Do Ministério da Ciência e Tecnologia, Do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e de Direitos Humanos e do Ministério de Desenvolvimento Agrário. Todos estes oportunizaram um espaço necessário para a discussão dos princípios e a construção de valores e novos paradigmas para a dignidade humana. (todos esses Ministérios tratavam em conjunto de ações  ligadas especialmente aos desassistidos pelas políticas públicas).

É a vontade do capital, do lucro e do poder a qualquer preço em clara oposição ao valor das pessoas e no seu saber, que estão sendo paulatinamente destruídos. É um retrocesso de mais de 30 anos feito em um tempo recorde de 4 horas. Fica assim a condolência às minorias aqui incluídas: mulheres, negros, índios, quilombolas, povos da floresta, pescadores artesanais, estudantes de escolas técnicas e universidade federais.

Este governo sempre privilegiado nas mídias de comunicação que vivem das migalhas financeiras vomitadas por este poder, certamente terá um espaço especial com direito a música em um dos quadros como aqueles do Fantástico, ou seja, de rapineiro a um governo de fantoche como muitos foram na história da humanidade. Enfim foi rápido e eficiente, como queriam os coronéis do poder político e econômico, almejando a destruição das políticas sociais no Brasil.

Temos um fato. Um poder ilegítimo! Sem vontade expressa pela sociedade através do seu voto (aqui alguns dirão, mas era vice e deu voto. Pode até ser, o que se muito duvida, pela sua pouca e inexpressiva ação pública e histórica na política do país). Fica a pergunta? Quem pagará esta conta, pois chegar ao poder tem um preço. Ah! Fácil quem paga a conta são os cidadãos (nós). E nem vamos precisar aguardar muito, a dizer pelas manchetes dos jornais: E lá estarão “mexer” na aposentadoria”. “no SUS”, “no programa minha casa e minha vida”, etc, etc…..

Finalizando, a certeza que fica é que o tempo trará a todos a verdade dos fatos e dos atos sorrateiramente tomados num julgamento compromissado com a verdade e com os princípios éticos e morais. Não acredito em um “adeus”, no máximo pode ser um “tchau” ou mesmo um “até logo”, afinal não se pode sepultar o sonho, os princípios e os valores de 54 milhões de eleitores por um Vice Presidente que, inclusive traiu a história e o compromisso com os cidadãos e cidadãs, que confiaram nele para ser um conselheiro daquela que legitimamente elegeram, mas que preferiu, como uma “dama de companhia” alcoviteira, traí-lo.

Estamos prontos e de prontidão pois não perdemos a esperança de um Brasil democrático, mais justo, fraterno e solidários com seus filhos e filhas. Vamos nos manter firmes lutando por instituições públicas fortes e compromissadas com as necessidades coletivas, não aceitando engrenagens corrompidas pela corrupção. Vi e vejo muitos risos, gargalhadas e zombarias, mas a estes tenho certeza de em breve um choro amargurado que será expresso por um novo “bater de panelas” dentro da aceitação do outro como protagonista de uma nova história e não a volta dos grilhões e dos ferrolhos da ditadura, da escravidão e da injustiça social.

Estamos vivendo um rico momento de cidadania e de valor à pátria; Viver este momento é  como dizem os mais novos “um show”. Assim que não nos deixemos como reféns dos rapineiros e garimpeiros de um governo popular legitimado pela vontade de 54 milhões de brasileiros e brasileiras.
[1] Engenheiro Agrônomo / CREA – ES 2146 D / 11ª Região – Graduação em Agronomia – UFES, Alegre – ES.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s